domingo, 21 de abril de 2013

O VOO DE SAULO: JOVEM GAY SE SUICIDA EM PORTO VELHO

Por Thonny Hawany

Neste sábado, quando abri o meu perfil no Facebook, deparei-me com uma postagem, em vídeo, de um suicídio na cidade de Porto Velho, no Estado de Rondônia. Inicialmente, hesitei em abrir o vídeo, estático, sem saber do que se tratava exatamente, cliquei sobre o ícone e assisti à triste cena de um jovem que se jogou de uma dessas torres de telecomunicação, poucos segundos antes de ser alcançado pelo corpo de bombeiros. Era Saulo de Assis Lima, de 23 anos, que se lançava para o seu anunciado voo de liberdade, num bairro também, ironicamente, chamado liberdade. Coincidência?
Este foi um dos assuntos mais divulgados nas redes sociais na tarde de ontem, 20 de abril. Bastava um clique aqui e outro ali para ver o último voo de Saulo. Gritos,... gritos... Meu Deus!... Meu Deus... Um vozerio total, um corre-corre banal,... Um voo simples, desajeitado, cambaleante, trôpego... “Ai meu Deus, ó senhor”, orava uma mulher não acreditando no que viu. O corpo de Saulo estendeu-se ao chão. Era tarde demais para salvá-lo do suicídio.
Num contraste entre a melodia e a cena, Saulo parecia uma criança embalando-se num parque de diversões. Ele só queria se fazer ouvir diante de todos,... Saulo subira no cume mais alto para externar seu último grito de socorro. Ele não aguentava mais. A dor do preconceito que sentia por ser homossexual e, como se não bastasse, por ainda ser portador do vírus HIV, era maior que sua vontade de viver. Saulo queria experimentar um mundo novo e assim o fez: voou para uma vida nova!
Sei que muitos gostariam que eu enfatizasse em minhas palavras o fato do abandono da família, ventilado nas palavras da professora. Seria penalizar demais essa família que acabara de receber a maior de todas as sentenças pelos atos (não)praticados: o fim trágico do filho Saulo.
No testemunho da professora está o vazio da escola, da sociedade, da família, da igreja na vida do Saulo. Foi este vazio o vilão que o conduziu ao seu voo de partida em busca da tão sonhada liberdade.
Não atiremos pedras em Saulo!... Não atiremos pedras nos que abandonaram Saulo porque as pedras poderão voltar em nossa direção. Por mais que tenhamos feito, ainda estamos fazendo pouco demais para extirpar, de uma vez por todas, do seio da sociedade, o câncer da falta de amor ao próximo.
Para Saulo de Assis Lima, as nossas orações. Para a família, as condolências, para os saulos que ainda não levantaram voo, um pedido de socorro ao Brasil: que sejam intensificadas as políticas públicas em favor das minorias que, infortunadamente, cortam na própria carne a dor do abandono, do desrespeito, da desigualdade e da falta de dignidade humana.
Irmãos e irmãs, a luta em favor dos Direitos Humanos de lésbicas, gays, bissexuais, travestis, transexuais, índios, negros, estrangeiros, mendigos, crianças, idosos e outros deverá ser, infinitamente, maior que os percalços encontrados no caminho. Será preciso, sempre, suportar e combater o veneno do preconceito, até a última gota, para o rigozijo em face da vitória. Que Saulo nos leve a intensificar a luta contra a vilania  em face de um mundo mais igual, mais feliz, mais digno.
Fontes: Facebook, Site Rondônia Agora

Um comentário:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir